sexta-feira, 9 de junho de 2017

Blow Up

Quando soube que “Blow-up”, de Michelangelo Antonioni (1912-2007), baseado num conto do argentino Julio Cortázar (1914-1984), seria homenageado por seus 50 anos de vida, gelei. Tive a péssima intuição de que alguém poderia fazer um famigerado “remake caça-níqueis” de Blow-Up, substituindo o denso suspense por cenas de monstrinho cansado inventado por esgotados computadores, com direito a oportunista Ariana Glande enchendo o saco no lugar do Yardbirds.

Alívio. Muito assediados pelos parasitas, os donos dos direitos do filme disseram um sonoro não e a comemoração do cinquentão foi maravilhosa: uma bela versão restaurada, bela, bem cuidada, que você encontra por aí. Me disseram que está no NOW!

Para quem não assistiu, o filme gira em torno de um fotógrafo de moda londrino chamado Thomas (David Hemmings), que após passar a noite fazendo fotografias para um livro de arte numa casa, volta para o estúdio atrasado para uma sessão com a supermodelo Veruschka.

Ele passa por um parque da cidade e por acaso fotografa um casal. A mulher das fotos, Jane (Vanessa Redgrave), furiosa por ter sido clicada (casada, estava com um amante), o segue até seu estúdio e exige os negativos de Thomas, que lhe devolve um filme virgem. Curioso com a atitude, ao fazer seguidas ampliações (blowups) de suas fotos no local, descobre o que acredita ser uma mão apontando uma arma entre os arbustos do parque.

A noite, ele volta ao parque e descobre um corpo no meio da mata (será do amante de Jane?), mas sem a câmera, não pode fotografá-lo e assustado com um barulho, deixa o local e encontra seu estúdio revirado e suas fotos roubadas. 

Ao retornar no dia seguinte ao parque, depois de mergulhar a noite londrina (1966 foi o auge da efervescência cultural e revolução de costumes da cidade) ele vê que o corpo desapareceu e acaba por não ter certeza do que realmente viu.

Caminhando absorto pelo local, assiste numa quadra duas pessoas jogando tênis por mímica, sem bolas nem raquetes. Participando da cena, quando devolve a bola imaginária que lhe é lançada por um dos jogadores, ele ouve o som da bola tocando o chão.

Assisti a versão restaurada de Blow-Up, sozinho no cinema. Não havia mais ninguém na sala, uma experiência inédita e fantástica. A tela, os atores, as cenas, o grande mistério, eu e mais ninguém. Quantos de nós já sentimos algo que parece existir como bolas e raquetes de tênis invisíveis, imagens em preto e branco de tiros prováveis com direto a corpos largados? 

Blow-Up parece dizer que temos direito ao delírio, a nos tornar apaixonados e até obcecados por fantasias, como eu (e todos os adolescentes do mundo) por Vanessa Redgrave na primeira vez que assisti, lá em 1968, com 12 anos. E, ainda, vastamente excitado com as duas modeletes que brincaram com Thomas e acabaram nuas no estúdio de fotos, emboladas num ménage à trois. Foi o primeiro nu frontal (de raspão, rápido) que vi na telona. Claro, não entendi o filme. Com essa idade poucos conseguem entender os jogos do absurdo.

Voltando ao presente, quando deixei o cinema deserto (última sessão), estava chovendo. Caminhei lentamente, ruas vazias, árvores aliviadas, as cenas de Blow-Up, o vazio existencial momentâneo e a certeza de que há sim metáforas verdadeiras e verdades metafóricas.

Mas esse é outro papo.

P.S. - Alguns artistas já conhecidos em 1966 aparecem no filme, outros se tornariam celebridades depois dele. The Yardbirds, a primeira banda conhecida de Jimmy Page e Jeff Beck, faz uma apresentação num clube londrino e Antonioni pediu a Beck que refizesse a cena de Pete Townshend, do The Who, destruindo suas guitarras e amplificadores no palco, ato pelo qual o cineasta era fascinado.

Veruschka, modelo já famosa na Europa, que interpreta a si mesma, depois do filme se tornaria uma celebridade em todo mundo. Michael Palin, comediante britânico que aparece numa das festas, alguns anos depois ficaria internacionalmente famoso como um dos criadores do grupo Monty Phyton.