terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

E-mails mal escritos


Há tempos a colega Cora Ronai, do Globo, uma das maiores autoridades em informática que conheço escreveu que os e-mails estão entrando em extinção. Segundo ela, as pessoas estão optando pelo uso de outras ferramentas mais ágeis como o whatsapp e as mensagens reservadas (inbox) no Facebook. Mas, enquanto isso, segue a barbárie.

Um amigo tem horror as chamadas novas tecnologias. Ele é um sujeito de opiniões fortes e sempre muito bem humoradas. Como exemplo desse seu horror ao que chama de “maquininhas” está um fato curioso.

Ano passado ele participava de uma reunião, mesa grande, várias pessoas e percebeu que duas delas não paravam de mexer em seus celulares. A reunião acabou e ele, curioso, perguntou o que as duas estavam fazendo. “Estavam trocando mensagens pelos smartphones, ali, um de frente para o outro”, conta ele entre fulo da vida e achando graça. “Por que não esperaram a reunião acabar e foram bater um papo ao vivo?”, pergunta.    

Minha relação com as novas tecnologias da comunicação começou nos anos 90. Com prazer mantenho esta Coluna, escrevo para alguns outros sites, lancei um livro eletrônico, vulgo e-book (https://www.amazon.com.br/5-15-Luiz-Antonio-Mello-ebook/dp/B01EP11OW2/ref=sr_1_1?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1519748475&sr=1-1&keywords=5+e+15 .
Mas sou extremamente cauteloso quando o assunto é enviar e-mail.

A maioria das raras pessoas que troca e-mails comigo é desconhecida. Alguns não sabem escrever direito o que provoca uma série de confusões, ruídos na comunicação e, muitas vezes, o que era para ser simples acaba virando uma grande babel regida pelo mal entendido.

Se a nova comunicação, em vez de e-mail, adotasse a pintura ou o desenho eu estava ferrado. Não sei desenhar a mais tosca das árvores. Continuaria utilizando o telefone, telegrama, carta no correio, mas pintura e desenho jamais.                                       

Só que muita gente, mesmo sem saber escrever (deixo claro que ninguém é obrigado a nada) dispara e-mails que chegam as raias do surrealismo. Mensagens respondendo “aquilo que você disse não é bem assim. Fui verificar e vi que é”. Como? Que confusão.

Se eu não soubesse escrever, o máximo que teclaria num e-mail seria, por exemplo, “preciso falar com você” ou então, como disse ali em cima, partiria para o telegrama e telefone. Ainda mais agora que as operadoras de celulares estão se comendo no escuro e, tudo indica, essa caríssima modalidade de comunicação tende a ficar menos extorsiva.

Não solto pipa perto das redes elétricas. Nunca enviei um desenho para qualquer pessoa como forma de comunicação. Aliás, francamente, desisti de desenhar aos 15, 16 anos, quando percebi que não dou para isso.

Quanto a quem manda e-mails sem saber escrever, sugiro que...sugerir o que? Que situação constrangedora. Tá bom, sugiro que não envie para mim porque detesto charadas.