domingo, 22 de julho de 2018

Isolado há 22 anos, índio tenta sobreviver

 
                                                                                 
Na mata no interior do estado de Rondônia, na Terra Indígena Tanaru, uma área florestal de uso restrito com 80 km² encravada entre cinco fazendas de pasto e agricultura mecanizada, o último sobrevivente de uma tribo indígena resiste ao contato com a civilização há 23 anos.

Após ver a família ser assassinada e os últimos membros da tribo dizimados por fazendeiros em 1995, o “índio solitário” trava uma batalha para sobreviver, longe dos fazendeiros e traficantes de madeira que mandam na região. Felizmente a Funai teve uma luz e, em 2015, demarcou a área de 8.070 hectares por mais dez anos.

Funcionários da Funai relatam que tentaram se aproximar do índio, mas foram afastados a flechadas. Desistiram e passaram a monitorá-lo a distância para preservar a sua vida.

Os interesses dos madeireiros, que dizimam a população indígena e devastam as florestas, são defendidos com déspota paixão por muitos parlamentares e por gente do governo. Afinal, jamais em tempo algum, os índios tiveram uma demarcação territorial decente, assunto que surge de quatro em quatro anos em período eleitoral.

Muitos oportunistas prometem essa demarcação, mas quando passa a eleição engavetam o assunto. Acham que tem mais o que fazer. Enquanto isso, índios acabam engolidos pela civilização e se tornam miseráveis nas periferias de várias cidades.

Até quando?