quarta-feira, 10 de outubro de 2018

A morte e a morte dos museus - Claudio Valério Teixeira - Do Conselho Internacional de Museus (ICOM) - Da Associação Brasileira de Críticos de Arte (AICA)



Venho me dedicando à conservação de bens culturais há quarenta e quatro anos. Discípulo de Edson Motta e filho do criador do Museu Nacional de Belas Artes, o pintor Oswaldo Teixeira, este mundo da arte e dos museus sempre me cercou, posso mesmo dizer que vivi minha infância dentro de um museu. O incêndio do Museu Nacional, por conseguinte, inflamou minhas emoções. Naquele fatídico domingo, quando vi pela televisão as imagens do museu em chamas, senti uma mistura de ódio e vergonha. Mas, agora, não adianta lamentar.

Duas semanas antes, minha mulher e eu levamos nossos netos para conhecer o museu. De lá saí deprimido ao constatar o lastimável estado de conservação da edificação, que exibia flagrantemente a ameaça à integridade do público, dos profissionais que lá trabalhavam e do valioso acervo. Não é hora de procurar culpados; responsáveis somos todos nós, duzentos milhões de brasileiros, como bem disse Eduardo Bueno em depoimento veiculado em rede social.

O Museu Nacional morreu devido a um terrível acidente, um sinistro previsível. Nesta triste oportunidade, já que a precariedade e o descaso que caracterizam a história dos museus públicos brasileiros vieram à baila, já que as autoridades estão sendo cobradas pelas responsabilidades não cumpridas sobre a proteção de nossos bens culturais, é hora, também, de nos lembrarmos da morte de nossos museus estaduais, daqueles sob a tutela do estado do Rio de Janeiro.

No último governo de Sérgio Cabral, ex-governador encarcerado há quase dois anos, foram fechados o museu Carmem Miranda, que guardava o acervo da famosa cantora, um dos ícones de nossa brasilidade, e o Museu dos Teatros, que abrigava importante acervo relativo à dramaturgia brasileira e sua história. Extinguiu-se o Museu do Primeiro


Reinado, que protegia importante mobiliário do império e, pasmem, a planta original da Quinta da Boa Vista, de autoria de Auguste François Marie Glaziou; tudo isso deixado em comodato no Museu Nacional e, agora, perdido para sempre. Houve uma ideia estapafúrdia de se criar no local, antiga chácara da marquesa de Santos, o museu da moda, que nunca saiu do papel.

O Museu da Cidade, no parque da Cidade, que depois de anos fechado e abandonado, o estado cedeu para o município do Rio de Janeiro, transferindo sua responsabilidade, melhor dizendo, sua irresponsabilidade, segue desativado.

Em Niterói, fecharam ao público a Casa de Oliveira Viana, com importante biblioteca que, dizem, abre a pesquisadores com agendamento. O Museu Antônio Parreiras, há mais de seis anos fechado para obras, que começam e param repetidamente e nunca terminam, como uma ópera sem fim, e o público impedido de conhecer e contemplar a obra do notável paisagista brasileiro.

Convém citar a nova sede do Museu da Imagem e do Som, o colossal prédio na praia de Copacabana, exemplo máximo da ineficácia do estado e da má utilização de verbas públicas, até hoje aguardando esperada inauguração.

Dos museus do estado sobraram poucos; em Niterói, o Museu do Ingá, vivendo como diz a linguagem popular, a meia-boca, pouco foi fechado por falta de pagamento de luz. Este é o penoso panorama dos museus do estado do Rio de Janeiro, pouco lembrado, até a próxima tragédia. Se o Museu Nacional morreu devido a um sinistro, os museus do estado do Rio foram exterminados por vontade e decisão dos governantes.


Para complicar e mascarar a negligência, o governo federal, num arroubo político tardio e de consistência duvidosa, tenta impor uma agência de museus, numa ação mal dissimulada de interesse pelo patrimônio cultural e museológico, quando, na verdade, mais parece uma iniciativa de passar adiante a responsabilidade, de se ver livre do bem público.

Sabemos, desde sempre, que os museus federais vivem à míngua.
Podemos dizer, com raras exceções, que estão como no samba de Nelson
Sargento: “agoniza, mas não morre”. Mas, às vezes, morrem.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opinião não é palavrão. A sua é fundamental para este blog.

A face oculta da lua, um conto sem fadas, fatos, fotos

Comia uma empada de galinha caipira num bar na rua do Ouvidor, Centro do Rio, perto de um lugar onde Machado de Assis também comia empadas...