segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Pensata 1

Quêncio vai me mandar o reparo amanhã (saiba quem e o que é no post anterior)por isso continuo na prancha do pirata, escrevendo direto no html, ou seja, se um dedo escorregar isso aqui é publicado assim mesmo, à bangu.

Sabe a campanha "nesse Natal dê livros de presente?", para dar um calor no mercado? Pois é, deu certo. Algumas pequenas, médias e grandes livrarias venderam 150% mais do que no natal do ano passado o que vai permitir que as editoras mantenham seus investimentos em 2019.

Fiz a minha parte. Publiquei dezenas de dicas de livros no Facebook e Instagram, sempre com uma excelente resposta dos leitores. Farei mais: este ano vou escrever uma nova obra, em papel, que deverá chegar ao mercado até julho.

Como a maioria das editoras exige que haja "noites de autógrafos" e outros eventos semelhantes decidi eu mesmo fazer a edição, encomendar a arte, escolher gráfica etc. Não quero nunca mais fazer esses eventos por overdose de ansiedade, tensão e mal estar. E os livros vieram ao mundo para fazer bem, especialmente aos autores.

Agora só falta arranjar alguém aqui por perto para receber as encomendas pela internet e postar para os leitores. Parece um trabalho simples mas não é. Já disse e repito, lançar livros é muito mais difícil do que escrevê-los.

Ou não?

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opinião não é palavrão. A sua é fundamental para este blog.

Mente caótica

Nossos predadores emocionais vivem nas savanas do inconsciente e mantém no topo da cadeia alimentar a ansiedade antecipatória, figurin...