domingo, 6 de janeiro de 2019

Felicidade

                                                       
Se a felicidade é uma sensação podemos prolongá-la.

Nesse aspecto a máfia do futebol faz até bem. Para faturar mais os tubarões do esporte inventaram jogos quase todos os dias, manhã, tarde, noite.

Nos bares, vejo a sensação de felicidade naqueles que usam futebol como desculpa para encher a cara, abraçar desconhecidos, gritar, berrar, chutar cadeiras de plástico. Que mal há nisso? Que mal há se esse potente entorpecente, já chamado de ópio do povo, provoca a sensação de felicidade?

A felicidade é um bem etéreo, pessoal e intransferível. Temos o poder de realimentar essa sensação importando novas boas sensações, via natureza, música, sexo, cinema, livros. Podemos realimentar mais ainda bloqueando pensamentos escroques, recusando surfar nas ondas de esgoto do negativismo.


A sensação de felicidade é real e quase palpável, como uma bola de futebol, a água do mar, uma cona morna e encharcada, uma boa cena de cinema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opinião não é palavrão. A sua é fundamental para este blog.

Afinal, o que é o filme “Aumenta que é Rock and Roll”, baseado no livro “A Onda Maldita”?

Diretor Tomás Portella vai exibir, no Lapa Café, um teaser de 15 minutos com cenas do filme.                       Tomás Portella (a f...