Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Político que confunde crítica com ofensa deve mudar de profissão

Benito Mussolini, onipotente, desprezava a crítica, mandou matar centenas de jornalistas. Linchado pelo povo, acabou pendurado num poste acompanhando do resto de sua amante, Clara Petacci.


Os sábios políticos da civilização sempre tiveram na crítica um trampolim, um impulso, uma chance de renovação, evolução.
Do alto da sua genial esperteza, Winston Churchill, comentou com um feroz editor de jornal: “te devo essa e muitas outras. Seu veneno matinal é vitamina para o bom senso”.
A crítica, mesmo contundente, é aliada.
Os sub políticos, onipotentes de várzea, acham que crítica é xingamento, ofensa, coisa de inimigo, porque para os onipotentes de várzea, que veem em Narciso um espelho (Caetano) o céu (deles) é o limite.
O resto é o resto.
Depois reclamam quando são jogados no lixão da história. Com H minúsculo.

Últimas postagens

A Covid -19 está totalmente fora de controle

História do amor no Brasil – Entrevista de Mary del Priore a revista CULT

Quebra-quebra nas ruas é ótimo pretexto para incendiários no poder - Thaís Oyama, UOL

Acabou, acabamos Ao aceitarem que caiam no seu colo milhares de mortes, Forças Armadas mostram que topam tudo por seu capitão. Por Fernando Gabeira, O Globo

Novo normal: cinema a R$ 65,00 ou a R$ 27,00?

Acende a fogueira do meu coração

Help!

Os 80 anos de Cacá Diegues – Isto É/Estadão Conteúdo

O que dizem os astros de Marco Lucchesi?

Desrespeitando o lockdown e com omissão da PM e prefeitura, barulho de motos enlouquece Niterói