segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Porque o rádio ainda é o rei da comunicação no Brasil? Entenda. Por Luiz André Ferreira - jornalista, professor, Diretor da Kroton, Estácio/FACHA


Apesar dos avanços tecnológicos, o velho rádio mostra que ainda é o maior veículo de comunicação, o menos vulnerável a crise econômica e o que menos vem sofrendo a concorrência com as mídias sociais. Pelo contrário, vem rejuvenescendo seu público através de seu consumo através de outros meios como: celulares e online ou mesmo podcast. Pesquisas apontam essa vitalidade do meio inventado pelo brasileiro Padre Landell de Moura e implantado por Eddard Roquette-Pinto.

Atlas da Notícia: maior em quantidade

Foram mapeadas 4.007 estações de rádio (entre AM e FM) operantes no país enquanto existem 3.368 jornais impressos, 2.773 emissoras de televisão e somente 2.263 veículos online, que só não perde no ranking para a queda vertiginosa da quantidade de títulos de revistas circulando no país, apenas 56 edições nacionais.

O curioso é que somente nos grandes centros os digitais se mostram de uma forma significativa. Em São Paulo, os sites de jornalismo correspondem a 67% do total dos veículos. Já no Rio de Janeiro 62% e em Brasília 45%.

Morte de Jornais

Ao mesmo tempo em que são poucas as rádios que encerraram atividade ( já que ninguém entregou a concessão ao Governo) recente pesquisa "Atlas da Notícia", feita pelo Projor - Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo, registra que foram fechadas o total de 81 empresas. Entre elas os jornais: “Brasil Econômico”, “Diário Mercantil”, “Jornal do Commercio”, “Diário de São Paulo”, “Diário do Comércio” e “Jornal da Tarde”.

Crise das Revistas

As dificuldades econômicas na Editora Abril ( em processo de recuperação judicial) contribuíram para a descontinuidade de, pelo menos, 16 títulos este ano, entre eles: “Cosmopolitan”, “Elle”, “Boa Forma”, “VIP”, “Viagem e Turismo”, “Mundo Estranho”, “Arquitetura”, “Casa Claudia”, “Minha Casa”, “Bebe.com.”, “Veja Rio”, “Capricho”, “Guia do Estudante”, “Placar”, “Saúde”, “Você RH”. Também afetada financeiramente, a Editora Escala extinguiu mais 5 produtos: “Tititi”, “Minha Novela”, “Conta Mais”, “TV Brasil” e “7 Dias”.

Ibope aponta que mais da metade da população ouve rádio

Já outra pesquisa, a “Book de Rádio” elaborada pelo Kantar Ibope mostra que 53% da população escutam regularmente. A média de tempo é de 4 horas e 40 minutos por dia. Mas o que chama também a atenção é um dado qualitativo: em plena descrença da onda do Fake News, 78% dos ouvintes consideram esse veículo como confiável, um dos maiores índices entre os meios de comunicação. 
Sendo assim, o rádio é visto como uma fonte ágil e precisa em informação.
35% dos ouvintes declararam procurar o rádio para se informarem quando ocorre um fato inusitado.   83% acreditam que os programas e boletins são mais fáceis de entender e 74% que a cobertura oferece comentários e análises com profundidade

Aumento das Webrádios

O estudo também identificou o crescimento da rádio na web: o tempo médio diário dedicado às rádios online é de 2h21min. Isso representa um acréscimo de 14 minutos na audição diária do que apresentado na análise passada.

Mineiro é o que mais ouve

A população de Belo Horizonte (MG) é a mais fiel ao veículo: 95% ouviram nos últimos 30 dias. Porém os moradores da capital cearense são os que passam mais tempo consumindo rádio por dia: um total de 5 horas e 4 minutos. Quase empatado está o carioca com 5 horas e 3 minutos. Os dados apontam ainda que 32% prestam atenção sempre ou quase sempre à publicidade veiculada. Do público ouvinte 52% são mulheres e 48% homens.

O pico de consumo é entre 10h e 11h da manhã, quando alcança um total de 37 milhões de pessoas diferentes em um intervalo de 30 dias.

Fim do Mito: rádio não é mídia de velho

Outra máxima que cai por terra é a de que o rádio é um veículo consumido por pessoas mais idosas. Os dados revelam que 91% dos entrevistados na faixa etária entre 15 e 19 anos declararam ter ouvido nos últimos 30 dias. Este alcance é de 90% entre as pessoas de 20 a 49 anos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opinião não é palavrão. A sua é fundamental para este blog.

A face oculta da lua, um conto sem fadas, fatos, fotos

Comia uma empada de galinha caipira num bar na rua do Ouvidor, Centro do Rio, perto de um lugar onde Machado de Assis também comia empadas...