segunda-feira, 2 de julho de 2018

Guilherme Pimenta e o novo violino popular

 

O violinista Guilherme Pimenta está lançando o EP “Violino na Roda” com quatro músicas instrumentais, sendo três autorais (“Violino na Roda”, “Cachaça” e “Cabeludo”) e uma versão para “Capricho de Raphael”, do bandolinista Hamilton de Holanda. Publicarei aqui na Coluna datas, horários e locais.

Aqui, um papo com ele:

- Como se interessou pelo violino?

Na verdade, quando era adolescente e fui ingressar no Conservatório da minha cidade no interior de Minas (Montes Claros), eu queria ter aprendido violoncelo, mas como na época, não havia professor, fui pro violino por ser o instrumento mais próximo. Logo me apaixonei pelo instrumento e depois de todos esses anos, acredito que no fim das contas, é o instrumento que escolhe a gente e não o contrário.

- Quem foram os músicos que ouviu e te inspiraram?

Sempre ouvi muita coisa diferente ao mesmo tempo. É difícil resumir em uma entrevista todo mundo que ouvi e que me inspirou. Cito alguns que têm tido grande influência na minha carreira: os violinistas brasileiros Fafá Lemos (pioneiro do violino popular no Brasil) Ricardo Herz e Nicolas Krassik (que são dois ícones do "violino popular brasileiro" atualmente), os violinistas de jazz: Christian Howes, Didier Lockwood e Stephane Grapelli; e dos outros instrumentos poderia citar: Hamilton de Holanda, Carlos Malta, Yamandu Costa, Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal.

- Essa fusão do violino ("instrumento de elite") com a música popular brasileira se deu como e quando mais ou menos?

Na verdade, em outras culturas o violino não é considerado um instrumento elitizado ou exclusivo da música erudita. Em culturas como cigana, árabe, indiana ou da música country, o violino sempre esteve presente em manifestações populares. No Brasil, isso não se deu devido a uma falta de interesse dos próprios violinistas em tocar a música popular de seu país. Isso começou a mudar um pouco na década de 50 com o violinista Fafá Lemos, que sendo um ótimo instrumentista, cantor e assobiador, começou a se inserir no mercado da música popular brasileira. Depois dele, tivemos muito poucos representantes, mas felizmente, esse movimento tem crescido nos dias de hoje.
Ainda estamos longe de termos no Brasil, de termos um número significativo de violinistas tocando música popular  para que nosso instrumento deixe de ser considerado apenas "clássico", mas estamos com cada vez mais violinistas populares e tenho orgulho de estar contribuindo com esta história.
Particularmente, eu tenho formação clássica mas sempre dialoguei com música popular. Antes de aprender violino, eu tocava violão e contrabaixo elétrico (tive até banda de rock). Nos últimos anos, depois de voltar do meu mestrado em violino nos EUA (2014), decidi me mudar para o Rio e me dedicar totalmente a música popular. Esta escolha tem me trazido muitas felicidades.

- O instrumento foi bem aceito nas rodas populares?

O violino é muito bem recebido no meio popular. A gente ainda se depara com um certo estranhamento pelo instrumento ser uma novidade naquele ambiente, mas depois que começamos a tocar, fica tudo certo. Nos meus primeiros meses no Rio eu frequentava muito as rodas de choro da cidade e conheci muita gente boa e que me recebeu de braços abertos. Uma coisa foi levando a outra e comecei a frequentar também os bailes de forró ou as casas de jazz e música instrumental, sendo sempre bem aceito aonde quer que estivesse.

- No show, qual o repertório básico você vai tocar?

No show de lançamento do meu EP "Violino na Roda" o Guilherme Pimenta Quarteto vai tocar algumas músicas minhas e de amigos compositores. Como sempre ouvi e fui influenciado por estilos diferentes e acredito que quanto menos preconceitos musical tivermos, mais teremos a aprender e dar de volta, nosso repertório ficou bem diversificado. No show, teremos choro, forró, xote, frevo, bolero e outras coisas. É música instrumental dançante.
O Trio Maréz (grupo de uma amiga que também é violinista popular) fará a abertura da noite e por ser um show de lançamento, aproveitei para convidar alguns amigos que admiro ou com que estão sempre trabalhando comigo: por exemplo, chamarei ao palco o grupo Papagaio Sabido, grupo do qual faço parte e que lançou seu primeiro disco no ano passado. Também teremos a honra da participação do bandolinista Luis Barcelos e do percussionista Matias Zibecchi.